quinta-feira, 7 de abril de 2011

André Villas-Boas - Importante é estarmos na final

A festa da conquista do título no Estádio da Luz ainda nem teve tempo de arrefecer e já André Villas-Boas apela à concentração para a Liga Europa. Contrariando os analistas que apontam o FC Porto como favorito à conquista deste troféu, o técnico azul e branco refreou ânimos e chamou a atenção para aspectos a levar em conta nesta eliminatória.

A festa acabou ou receia que ainda possa prejudicar a abordagem deste jogo?

Não deve ser problema, porque houve tempo suficiente para a recuperação. Mais importante será gerir a saída de um ambiente de festa para outro extremamente competitivo, porque o Spartak traz um desafio ainda mais aliciante. O Spartak é uma equipa que joga num estilo parecido com o nosso, privilegia o toque e a posse, futebol bem jogado e velocidade de circulação, portanto há uma série de factores que nos deixam em alerta, ao contrário da expectativa exagerada de favoritismo.

Mas sentem o peso desse favoritismo?

É indiferente. Já caíram grandes equipas nesta competição, de favoritas passaram a eliminadas. Não serve para nada fazer previsões, o importante é estar na final.

Vai controlar a euforia que se gerou com a conquista do título ou vai canalizá-la para motivar os jogadores para este jogo?

São competições diferentes. Estamos nos quartos-de-final e ambicionamos a passagem às meias-finais. Para que isso aconteça, tem de haver compromisso e exigência total, e é esse equilíbrio entre a passagem da euforia para a competição que temos de ter em conta. Temos um objectivo que queremos atingir, e a dificuldade que nos pode colocar o adversário chama a atenção para estarmos no máximo. Temos de nos concentrar para o jogo.

Esta equipa do Spartak é melhor ou pior do que a do CSKA?

Não me posso permitir fazer essa comparação. São ambas equipas fortes. Esta vem da Champions, com resultados estrondosos fora de casa, e cria-nos um desafio importante; basta olhar para os resultados de Marselha, Ajax, Zilina e Basileia.

Depois de estudar os russos, que jogadores terá mais em atenção?

Como já disse, o Spartak joga bem. Têm um trio de brasileiros no meio-campo que gosta de trocar a bola. O ponta-de-lança gosta de diagonais curtas e de se mover em espaços reduzidos. McGeady é um irlandês poderoso com os dois pés e pode criar problemas a vir do interior. Têm dois laterais que jogam muito a partir das suas posições, dois centrais que sabem construir bem com bola, defendem com um bloco muito compacto e curto e aspiram a estar na final. Portanto, não são uma equipa qualquer e, para o FC Porto passar, terá de se esforçar ao máximo.

Obrigação de ganhar é igual depois da Luz

A julgar pelas palavras de André Villas-Boas, o sabor da vitória na Luz só contribuiu para aguçar o apetite, apesar de reconhecer que todas as equipas ainda presentes na Liga Europa alimentam o mesmo sonho.

Depois do título na Luz, há uma mensagem diferente e para se ir mais longe na história?

As nossas obrigações não mudaram por termos ganho o campeonato. Temos a possibilidade de nos focarmos nesta competição de uma forma mais agressiva, mas o objectivo esteve sempre definido quando entrámos nesta competição. Obviamente queremos chegar longe, mas nesta fase o factor motivacional conta, não há mensagem nova, mas todas as equipas que chegaram a esta fase acreditam ou sonham com a final. As mensagens são claras, quer seja de Benfica, Braga, FC Porto etc., e são legítimas, porque se está a um pequeno passo da final e qualquer equipa alimenta o sonho. Para nós, é importante passarmos da euforia à concentração de novo.

"Vamos tentar repetir 2002/03"

Servindo-se do exemplo de 2002/03, o técnico garantiu que há sede de vitória.

Começar a eliminatória em casa é uma desvantagem?

Não. Já debatemos este tema do jogo em casa por nos ter surgido durante a fase de eliminatórias. Mas na história do FC Porto, quando venceu a Taça UEFA e a Champions, jogou em casa e depois resolvia as eliminatórias fora. Vamos servir-nos desses exemplos e acreditar que somos tão competitivos em casa como fora, porque o nosso registo este ano até é superior fora de casa.

Dadas as notícias de clubes interessados, consegue prometer que será treinador do FC Porto na próxima época?

Não sei se é interesse. É mais especulação que acontece com qualquer um de nós nesta função, o que me dá perfeitamente igual. O sucesso não é meu, é de todos nós, e quem ganha uma vez tem sempre vontade de ganhar outra. Vamos viver o título com esse sabor especial, mas agora é outra competição, outras motivações. Vamos tentar repetir o que aconteceu em 2002/03, e isso exige de nós o máximo. A sede de ganhar está presente em cada um destes jogadores.

Sapunaru não está convocado...

Não há problema algum, apenas opções, como vão poder ver amanhã [hoje]. Achámos que era importante ter Souza e Walter de regresso neste jogo, porque têm trabalhado de forma inexcedível. O ambiente competitivo no plantel é muito agressivo, e todos merecem estar nas convocatórias, mas é difícil entrar. Falei com Sapunaru e com Rúben sobre isso, porque está na altura de dar uma oportunidade a quem tanto e tão bem trabalha, como Walter e Souza, mas também Kieszek, Mariano e Sereno. Tem de ser assim nesta altura, sem nunca pôr em causa as questões estratégicas.



António M. Soares n' O Jogo

2 comentários:

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Esta equipa russa, treinada por Valery Karpin, ex jogador do Celta de Vigo que esteve no jogo dos 7-0 ao Benfica e marcou, é uma equipa de futebol curto, fruto dos muitos sul-americanos no plantel.
Para chegar aos quartos-de-final o Spartak, que foi repescado da Liga dos Campeões, eliminou o Basileia nos 16avos (venceu 3-2 na Suiça e empatou 1-1 em Moscovo) e o Ajax nos oitavos-de-final (ganhou 1-0 na Holanda e ganhou 3-0 em Moscovo).
Na Liga dos Campeões o Spartak fez 9 pontos, fruto de 3 vitórias, uma fora por 1-0 diante do Marselha, uma outra em casa por 3-0 diante do Zilina e outra fora diante deste mesmo adversário por 2-1.

Perderam os outros 3 jogos, um fora por 3-0 diante do Marselha, outro fora por 4-1 diante do Chelsea e finalmente em casa novamente diante do Chelsea por 2-0. Os apurados do grupo foram o Chelsea e Marselha.

É uma equipa que conta no seu plantel com vários jogadores brasileiros, entre os quais o nosso bem conhecido Ibson. Conta com o perigoso goleador brasileiro Wellinton que na época passada foi o melhor marcador da liga russa com 20 golos, o que contudo não impediu o 4º. lugar no campeonato.
A jovem estrela da equipa é Jano Ananidze, médio ofensivo de 19 anos, está a causar sensação na Rússia, UEFA Europa League e selecção georgiana.
Com 1,70m de altura e apenas 60kg, pode ser de estatura reduzida, mas Ananidze já causou sensação na primeira divisão russa. No ano passado, o jovem tornou-se no mais novo marcador na história da Liga russa e, aos 18 anos, este entusiasmante médio já tem experiência em jogos de selecções, UEFA Champions League e UEFA Europa League.

É uma equipa menos forte que o CSKA, e que está ao nosso alcance.
Somos favoritos nesta eliminatória.

Espera-se muito apoio no Dragão para dar-mos um passo decisivo rumo às semi-finais.

Abraço

Paulo

http://pronunciadodragao.blogspot.com

P. Ungaro disse...

Boas,

temos equipa, treinado e estrutura para levar de vencidos os russos ... se mantivermos a mesma seriedade, concentração e atitudo não é o spartak que nos vai tirar do objectivo.

um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/