segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Liga Sagres - Classificação


Resultados Consolidados do 1.º Trimestre de 2009/2010


Reforço dos Capitais Próprios em 23,5M€, atingindo em 30 de Setembro de 2009 o valor global 46,1M€, superior a metade do capital social, pelo que a sociedade se encontra agora fora do âmbito do artigo 35º do Código das Sociedades Comerciais;

Resultado Líquido do Trimestre francamente positivo, atingindo os 23,5M€ no período em análise, acima dos 6,8M€ obtidos no 1º Trimestre de 2008/2009;

Resultados Operacionais que ascendem a 24,6M€, o que representa um acréscimo de 15,5M€, relativamente ao período homólogo anterior, que assenta essencialmente no aumento dos resultados com transacções de passes;

Activo Total cresce 19,1M€, face a 30 de Junho de 2009, atingindo um montante global de 202,7M€, fundamentalmente pelos investimentos efectuados em novos jogadores;

Diminuição do Passivo, em 30 de Setembro, em 4,4M€, destacando-se a redução dos Empréstimos Bancários em 15,8M€, desde 30 de Junho de 2009.

Capas de 30 de Novembro de 2009


Formação - resultados de ontem


Sub-17: Campeonato Nacional de Juniores B (Série B)
FC Porto-Salgueiros, 7-0
(Ricardo Alves, 5 e 32m; Alexandre, 25 e 34m; Ricardo Catarino, 36m; André Teixeira, 44m; Fábio Martins, 69m)

Sub-16: Campeonato Nacional de Juniores B (Série A)
Régua-Padroense, 0-9
(Gonçalo, 8 e 28m; Leandro, 25m; Ricardinho, 30, 46 e 67m; Frederic, 43m; Christian, 71m; Pedro Tavares, 80m)

Sub-15: Campeonato Nacional de Juniores C
Sanjoanense-FC Porto, 0-2
(Francisco Costa, 50m; Francisco Ramos, 52m)

Sub-14: Campeonato Distrital de Iniciados
Padroense-FC Porto, 1-3
(Rui Moreira, 28 e 62m; Sérgio Ribeiro, 58m)

Sub-13: Campeonato Distrital de Juniores D (Futebol de 7, Sub-12)
Dragon Force-Grijó, 9-0
(Badjo, 6, 12 e 17m; Marco, 10m; Diogo, 18m; Sardinha, 30m; Kiko, 32m; Vidinha, 50 e 58m)

Sub-11: Campeonato Distrital de Juniores E (Sub-10, Futebol de 7, Série 1)
Dragon Force-Grijó, 32-0
(Barbosa, 40s, 1, 2, 3, 5, 21, 23, 27m; Dário, 2, 13, 20 e 26m; Diogo, 10, 46 e 48m; Nuno, 18, 20, 22, 30, 32 e 40m; Martin, 29, 34, 37, 38, 44, 45 e 47m; Henrique, 12m; Renato, 36m; Miguel, 43m)

Basquetebol - Porto ganha


Um período equilibrado, «atípico» nas considerações finais de Moncho López, dois de maior intensidade, a cavar uma diferença de 25 pontos, e um derradeiro, de rotatividade e gestão, desenharam o triunfo inequívoco dos Dragões (74-52) e retiraram o Sampaense do grupo da frente na tarde em que Jeremy Hunt precisou apenas de 21 minutos para assegurar a condição de MVP.

A entrada em cena de Hunt fica indelevelmente associada ao primeiro esboço da vitória portista, já no decurso do segundo quarto. Vinte pontos e quatro assistências dizem bem do desempenho atacante do norte-americano, que, entre a exuberância do seu jogo, pôs o Dragão Caixa a gritar o seu nome, enquanto convertia quatro triplos e revelava uma eficácia de 100 por cento nos lançamentos de dois pontos e na linha de lances livres.

A vencer por 64-37, Moncho López geriu a vantagem e o esforço no último período. A pensar na partida da Taça, frente ao CAB, na Madeira, rodou os jogadores com menor utilização e proporcionou as estreias na Liga de Paulo Cunha e Rui Mota.

domingo, 29 de novembro de 2009

Liga Sagres - Porto vence

FCPorto 2 - Rio Ave 1.









Capas de 29 de Novembro de 2009


Não tivemos momentos para disfarçar o mau futebol


Conferência de imprensa de Jesualdo Ferreira n' O Jogo:

Jesualdo rendeu-se às evidências na véspera do jogo com o Rio Ave. Esta versão do FC Porto tem de ganhar mais vezes para alcançar o objectivo principal traçado nesta temporada, mas, para isso, precisa de melhorar, ganhar confiança e estabilidade. O "clique" que o técnico esperava ver há umas semanas ainda não aconteceu e o jogo com o Chelsea só a espaços deu uma ideia da equipa que pretende ver. Uma situação que também não tem saído favorecida pelas contingências do momento, e que o futebol da equipa não tem conseguido disfarçar.

Contra o Chelsea, identificou a finalização como o grande problema. O que é necessário para dar a volta a isso?

É ter mais jeito no último toque, mas traduz-se tudo num conjunto de momentos do futebol. Não há nenhuma equipa durante a época que não tenha um período de lesões, que não esteja menos concretizadora ou que não jogue pior. Nós passámos a primeira época com lesões constantes e simultâneas. Agora estamos a passar a fase de não jogarmos bem e também de não termos tido alguns momentos para disfarçar esse mau futebol; veio tudo junto. Mas, outros dias melhores virão, este é o pensamento positivo que temos. As bolas que batem na trave vão entrar, as bolas que o guarda-redes defende para a frente vão ter mais um metro para serem recarregadas, vai tudo acontecer naturalmente, não tenho dúvidas. Vamos ser capazes novamente, não consigo ver isso de outra forma, porque não é por falta de trabalho, não é por falta de aplicação dos jogadores, não é por mais nada, mas apenas por contingências do próprio jogo e pelo momento que passamos, resultante de uma série de questões simultâneas.

Comparando a época no FC Porto deste ano com a do ano passado, o FC Porto tem os mesmos pontos, as mesmas derrotas, mais golos marcados e menos sofridos. É o Benfica e o Braga que estão melhores, é o FC Porto que se tem descuidado...

Se no ano passado tínhamos os mesmos pontos e não estávamos em primeiro, significa que havia outros adversários na frente. O quadro não muda muito hoje. Mas, como calculam, isto não nos dá alento nenhum. Dava-me alento verificar uns anos antes, quando ganhámos com 20 pontos de avanço, e ver quantos tínhamos nesta altura e a diferença para os nossos adversários. Temos de ganhar jogos, melhorar, ganhar confiança e estabilidade para podermos, nas vinte jornadas que faltam, chegar onde queremos. Há um objectivo claro, que é ser campeão. Portanto, nessa perspectiva, se tínhamos os mesmos pontos na época passada e fomos campeões, significa que os adversários que estavam à nossa frente não foram capazes de acompanhar o ritmo do campeonato. Neste momento estamos atrás, como no ano passado, com o mesmo número de pontos, menos golos sofridos e mais marcados. Não nos dá nenhuma satisfacção especial. Sabemos o que queremos e o que podemos fazer, e isso vamos fazer.

Depois dos maus resultados da equipa, os jogadores estão motivados?

Não vamos negar as evidências: os resultados não foram positivos, são coisas objectivas. Mas, o que esperamos é fazer um jogo melhor do que aquele que fizemos contra o Chelsea. Ninguém consegue ter um rendimento máximo durante 90 minutos, ter tudo controlado durante um jogo, porque há momentos em que se está melhor e outros em que se está pior. A nossa responsabilidade é fazer melhor, contra um Rio Ave bom, de grande qualidade, que só perdeu um jogo, tem um colectivo muito definido e muito claro, em que se nota perfeitamente o trabalho do seu treinador, é normal, porque o Carlos Brito apresenta sempre equipas que jogam bem. O Rio Ave tem muita juventude e, simultaneamente, muita maturidade. Portanto, é uma equipa difícil, que tem uma derrota em dez jogos e isso anuncia aquilo que serão as nossas dificuldades.

António Soares n' O Jogo.

Andebol - Porto ganha


O FC Porto Vitalis conquistou, este sábado, o sexto triunfo consecutivo no campeonato, ao vencer o S. Bernardo, em Aveiro, por 26-27, em desafio da 9ª jornada. Destaque para a exibição de Ricardo Moreira, melhor marcador da partida, com oito golos.

Os restantes remates concretizados pelos Dragões foram da autoria de Inácio Carmo (5), Filipe Mota (3), Pedro Spínola (3), Tiago Rocha (3), Dario Andrade (2), Nuno Grilo (1), Wilson Davyes (1) e Álvaro Rodrigues (1).

Hóquei em Patins - Porto ganha


O FC Porto Império Bonança venceu este sábado no terreno do Paço d’Arcos por 7-3, em encontro da sétima jornada do campeonato nacional. Pedro Gil, que apontou quatro golos, foi a estrela maior de um desafio em que os Dragões já venciam por 3-0 ao intervalo, precisamente com um “bis” do espanhol.

Reinaldo Ventura (2) e Pedro Moreira foram os autores dos restantes tentos. Com esta vitória, os octocampeões nacionais asseguram a permanência no topo da tabela classificativa.

sábado, 28 de novembro de 2009

Formação - resultados de hoje


Sub-19: Campeonato Nacional de Juniores A
FC Porto-Académica, 3-1

Sub-13: Campeonato Distrital de Juniores D (II Divisão, Série 2)
Vilanovense-FC Porto, 0-4
(João Gonçalves, 39m; Gonçalo Ribeiro, 44m; Vitor Ferreira, 48m; Bruno Almeida, 56m)

Sub-13: Campeonato Distrital de Juniores d (I Divisão)
FC Porto-Coimbrões, 3-0
(Tiago Couto, 35m; Bernardo, 26 e 56m)

Sub-12: Campeonato Distrital de Juniores D (II Divisão, Série 1)
FC Porto-Gulpilhares, 9-0
(Schutte, 12, 26, 31 e 50m; José Mota, 38m; Ricardinho, 42m; Marcelo, 54, 55 e 57m)

Sub-11: Campeonato Distrital de Juniores E (Futebol de 7, Série 5)
S. Lourenço Douro-FC Porto, 0-22
(Francisco Trincão, 5; Gonçalo e Hugo Oliveira, 4; Fernando Braga, 3; Dylan Barbosa e Nuno Santos, 2; Filipe Costa e Diogo Fernandes)

Sub-11: Campeonato Distrital de Juniores E (Futebol de 7, Série 2)
FC Porto-Trofense, 13-0
(José Miguel, João Félix e Francisco Caetano, 3; António Pedro, 2; Hélder Silva e Leandro Teixeira)

Capas de 28 de Novembro de 2009


Uns e outros


No ano passado, mais ou menos por esta altura, e antes de um jogo europeu, Jesualdo Ferreira foi confrontado com uma evidência da ocasião: o rendimento de Lucho estava longe de dar nas vistas. Explicou Jesualdo, e o tempo veio a dar-lhe razão, que há posições específicas (ou jogadores específicos) em que é preciso ver a coisa com outros olhos. Ou abrir-los noutro sentido, se preferirmos. Aliás, muitos portistas não desdenhariam ter esse "mau" Lucho agora. Adiante. Já este ano, tem sido evidente para todos que Raul Meireles, por exemplo, não anda - ou não andava? - bem e isso nunca lhe beliscou a titularidade. Lá está, posições e jogadores específicos. Nada contra. Contudo, considerando que o rendimento abaixo do esperado atirou Hulk para o banco, não deixa de ser curioso sublinhar a diferença. Não digo diferença de tratamento, ainda que a ideia possa passar pela cabeça de alguns jogadores, mas diferença na avaliação às alternativas do plantel e/ou ao peso de algumas peças no onze. No fundo, isto tudo para dizer uma coisa muito simples: tem sido mais fácil dar lições a uns do que a outros (ou, para não ferir susceptibilidades, tem sido mais fácil prescindir de uns do que de outros...).

Hugo Sousa n' O Jogo.

Pinto da Costa: O FC Porto está a mais no país que temos

No décimo aniversário da Casa do FC Porto de Amarante, Pinto da Costa elegeu alguns alvos habituais para cativar a atenção de cerca de uma centena de pessoas. A regionalização foi um dos assuntos de trincheira. Aplaudido de pé, o presidente do FC Porto atirou umas granadas para Lisboa, a capital do império, como salientou. "Promete-se a regionalização, mas continuamos a ser um país estrangulado e centralista. Isto também atinge o futebol, mas vamos continuar a lutar para que Lisboa não seja o centro de tudo. Vamos continuar a lutar com a dignidade das gentes do Norte, que não se confundem com o poder centralista", disse Pinto da Costa.

Apelidado de "presidente dinâmico, balsâmico e titânico" pelo autor do livro "Dragontologia", apresentado ontem - "já me chamaram Papa, mas nunca estes nomes", brincou Pinto da Costa -, o presidente portista também tocou ao de leve no tema da sucessão. "Não irei estar muito mais tempo à frente do FC Porto, mas quem me suceder será alguém que gosta tanto do clube como nós. O FC Porto está a mais no país que temos, mas é necessário para o país que queremos", sublinhou.

O livro Dragontologia, da autoria de Aníbal Rodrigues, foi aproveitado para o presidente portista disparar mais algumas balas para Lisboa. "É um livro pequeno, mas de grande simbolismo. Mandem um exemplar para a Travessa da Queimada [sede de A Bola], onde se disse que o único clube com projecção europeia é o que eles patrocinam. A asneira e a imbecilidade têm limites", lembrou.

Já depois do discurso, e confrontado pelos jornalistas sobre o melhor resultado para o FC Porto no clássico de hoje, Pinto da Costa fugiu ao tema. "Nem sequer me lembrava desse jogo".

Tomaz Andrade n' O Jogo.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Capas de 27 de Novembro de 2009


O mágico Deco


Há cerca de seis anos, fui cobrir um treino de manhã cedo ao Olival. O FC Porto tinha ganho a Taça UEFA há um par de semanas e faltava ainda disputar a Taça de Portugal, mas, como sempre acontece quando a época começa a chegar ao fim, falava-se no interesse de alguns tubarões europeus nos melhores jogadores do plantel portista. Deco era o mais pretendido e os destinos multiplicavam-se nas primeiras páginas dos jornais como se fossem a montra de uma agência de viagens. Nesse dia de manhã, no caminho para o centro de treinos, mesmo antes de virar para o complexo, alguém tinha escrito num muro impossível de ignorar: "Se venderem o Deco, vendem-nos os sonhos". O FC Porto não vendeu Deco nesse ano e no seguinte cumpriu o sonho de voltar a ganhar a Taça dos Clubes Campeões Europeus. Ontem, o Dragão levantou-se para aplaudir o Mágico. Não tenho a certeza, mas acho que lhe chamam assim por conseguir transformar os sonhos em realidade.


Jorge Maia n' O Jogo.

Dois pesos e duas medidas

TODOS concordaram que o estádio bósnio onde a Selecção jogou não tinha condições, por culpa do relvado e por a sua lotação ter sido excedida, o que motivou uma reclamação à FIFA por parte da FPF, mas o jogo entre a Oliveirense e o FC Porto quebrou esse consenso. Sabia-se que o relvado não estava em condições e que tinham sido retiradas as cadeiras para duplicar a capacidade das bancadas. À FPF, a organizadora da competição, competiria atender aos avisos, inspeccionar o estádio e, se necessário, encontrar uma solução de recurso. Em vez disso, lavou as suas mãos.
Perante as preocupações portistas, houve quem imaginasse que o alvo era Hermínio Loureiro e invocasse «a verdade da prova», esquecendo que o Benfica não fora a Monsanto, e que o Sporting não iria à Caparica.

Só não houve mais polémica porque o mau tempo alagou o campo e facilitou a decisão do árbitro. O presidente da Oliveirense acatou a decisão e percebeu-se, pelas suas cândidas decla- rações, que o episódio lhe dá argumentos para continuar a reclamar um novo estádio da sua autarquia.

Ainda assim, a FPF resolveu emitir um comunicado, em resposta às críticas do FC Porto. Nessa prosa, a FPF recusa a comparação com o que motivou o seu protesto à FIFA, explicando «que o estádio onde se realizou o Bósnia-Portugal não estava licenciado pela UEFA, ao passo que o da Oliveirense está licenciado para receber jogos de uma competição profissional». A FPF omite que esse licenciamento por parte da Liga não contemplava que se duplicasse a lotação, o que é um aspecto relevante no aspecto da (in)segurança e esquece que, com o mesmo argumento, a FIFA poderia invocar que o estádio bósnio está, tal como o de Oliveira de Azeméis está, licenciado pela Liga do país respectivo.

Infelizmente, o clubismo toldou a análise deste caso e tudo ficará na mesma. Para muitos, a moral da história é que se os clubes mais modestos jogam naquele campo, os grandes também deveriam jogar. Para outros, é inaceitável que os artistas da bola arrisquem lesões jogando num batatal. Ora, este caso deveria servir para que se incentivasse uma fiscalização sistemática de campos e estádios, sejam eles humildes ou grandiosos, segundo as regras escritas e o bom senso que não precisa de leis. Não faltam, por todo o país, bons relvados, tantas vezes subutilizados ou esquecidos, exactamente porque se permite que o futebol profissional seja jogado em condições pouco apropriadas e perigosas, que adulteram a verdade desportiva e afastam os espectadores. Este critério de selecção, por exigente que possa parecer, e como aliás foi aquele que ditou o fim dos pelados, seria um grande contributo para graduar o futebol nacional.


Não era a feijões
OFC Porto perdeu com o Chelsea num jogo morno. A homenagem a Deco foi o grande momento da noite. Com Belluschi e Varela em bom nível, o FC Porto fez uma boa 1ª parte. Depois com a sua saída quando já acusavam cansaço, por troca com Hulk e Guarín, Jesualdo recuperou a equipa dos últimos jogos. O brasileiro logo se esqueceu de ajudar Sapunaru, ao contrário do que Varela havia feito, e abriu o caminho por onde os ingleses fizeram o golo. Guarín pode substituir Meireles mas não é Belluschi. O FC Porto perdeu. Diz-se que foi a feijões, mas eram feijões de luxo e apetitosos, que calhariam bem na nossa sopa de pedra, e pelos quais os ricos ingleses nem sequer tiveram de se empenhar muito.

O incrível sentado
GOSTEI de ver Hulk sentado no banco. Não sei se alguém lhe disse que precisava de descansar da ida ao escrete. Em vez disso, talvez lhe devessem ter explicado que fora preterido por causa dos seus tiques e individualismo, das suas inócuas simulações. Talvez assim tivesse optado por uma outra atitude, logo que surgisse a oportunidade de jogar. Em vez disso, e como tem sido costume, Hulk foi de pequena utilidade quando entrou. Sabe-se como Jesualdo, com a sua larga experiência de formador, o tem defendido. Seria uma pena se um jogador com tantas virtudes se desperdiçasse até porque não é grande a distância entre o génio e a frivolidade, entre o super-herói e o artista de circo.

As metades da laranja
JESUALDO diz que o FC Porto está a melhorar. É verdade que as soluções apresentadas na 1ª parte apontam para isso e não escandalizaria se tivesse chegado ao intervalo em vantagem. Além disso, o Chelsea não é uma equipa qualquer e mesmo quando joga a meio gás, como foi o caso, é bem mais forte do que a nossa concorrência nacional, com a qual vamos disputar os próximos jogos que serão cruciais. Beto não teve muito trabalho, mas esteve atento e soube resolver sem complexos o que poderia ser difícil, sofrendo um golo indefensável. Veremos o que se passa nos próximos jogos, mas fica a ideia de que, se a equipa desta 1.ª parte até pode bastar, já a da 2.ª parte parece uma laranja espremida.

A grande batota
COM grande ajuda, a França estará no Mundial. Depois da criação de cabeças-de-série nos play-off que aliás ajudou Portugal, eis que a eliminatória com a República da Irlanda se resolveu com a batota do costume. Quem defende as ajudas televisivas para descortinar estes casos julga que depois deste e das repercussões que teve, a solução que preconiza está mais perto. Julgo que, pelo contrário, este caldinho justifica a inflexibilidade de quem manda no futebol e que nada quer alterar. Para que a FIFA, a UEFA e os seus pares possam continuar a adulterar a verdade desportiva em função dos seus interesses, é preciso que esta subjectividade continue a existir.

Rui Moreira n' A Bola.

Chuva & perguntas


CHOVE muito nos jogos do FC Porto. Vejam o que aconteceu nesta última quarta-feira: mais remates e menos posse de bola do que o Chelsea; mais passes falhados do que o costume. Deve ser da chuva. Houve uma altura em que, em dias de chuva, Quaresma escorregava mal o risco da área entrava no seu horizonte desaparecia o artista, entrava o esquiador. O problema, parecia, eram as chuteiras; ele trocou de chuteiras e continuou a cair, até que se descobriu o problema e uma maior dose de confiança melhorou o piso. Com confiança, até o excelente relvado do Dragão ganha aderência. Confiança. Trabalho de cabeça.
Imaginem o que não dirão os jogadores do FC Porto que andam por aí, a distribuir bola em vários relvados, e vêm o seu lugar ocupado por gente que escorrega em todos os jogos e se recusa a fazer passes acertados. Deve ser do frio. Às vezes, o frio puramente psicológico. Está na cabeça.

Com o campeonato neste patamar, o adepto faz perguntas, a primeira delas sobre o valor da equipa (o que fazem certos repolhos a actuar num relvado de primeira?) e sobre a razão que nos leva a apreciar as explosões de Belluschi e não a sua constância (porque ainda não está feita a mudança entre o Olympiakos e o FC Porto e, portanto, não joga com a frequência requerida?), ou por que razão foram contratados alguns jogadores ainda sob a forma de enzima. Tantos pormenores (a lista deles afligiu-me entre o jogo com o Belenenses e a saída do Dragão, esta quinta-feira) para recolher e comentar, e ouvir o Jesualdo na rádio: Nem vou explicar o que me leva a tomar certas decisões tácticas; as opções não são para ser explicadas, nem tenho que as explicar. Jesualdo tem razão; é capaz de ser pormenor a mais.

Sai hoje um livro intitulado 30 Anos de Mau Futebol. Nele, João Pombeiro recolhe algumas das frases mais disparatadas do mundo do futebolês, ditas por jogadores, técnicos, árbitros, etc. Há ali frases para todos os gostos. No fundo, um resumo das trapalhadas dos últimos anos de bola. Uma pessoa ri-se, ri-se e espera que a bola continue a rolar.

Francisco José Viegas n' A Bola.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Capas de 24 de Novembro de 2009


Lapidação


Lapidação. A palavra tem mais do que um sentido. Pode lapidar-se um diamante, polindo-o, reduzindo-lhe as imperfeições e aumentando-lhe o brilho. E podem lapidar-se pessoas, apedrejando-as, numa das mais violentas formas de execução conhecidas. Nos últimos tempos, temos tido vários exemplos de lapidações. No final da última temporada, talvez por se ter falado da existência de alguns diamantes em bruto nas duas equipas, houve quem tentasse lapidar a final do campeonato de juniores entre o Benfica e o Sporting. No domingo, lapidaram o autocarro do Guimarães quando este regressava do jogo na Luz. Diz-se que acertaram em cheio na cabeça do D. Afonso Henriques, mas, felizmente, Sua Majestade foi a única vítima do incidente. Mais um. Provavelmente não será o último. Nesta coisa das lapidações, toda a gente tem telhados de vidro, mas nem por isso deixa de atirar pedras ao vizinho. Entretanto, o FC Porto parece ter descoberto um diamante em Sérgio Oliveira. Agora é só uma questão de lapidá-lo.

Jorge Maia n' O Jogo.

Um lugar em África


1 Num fim-de-semana talhado à medida para ir à caça, a grande notícia foi a eliminação do Benfica da Taça, às mãos do Vitória de Guimarães e em pleno estádio da Luz. Parabéns ao Vitória que, nos últimos dois jogos que disputou, um para o campeonato e outro para a Taça, derrotou os dois líderes do campeonato. O Sporting chegou ao intervalo, na estreia de Carvalhal, a perder miseravelmente com uma equipa de que eu (peço desculpa) nunca tinha ouvido falar, assim tipo-Inválidos do Comércio: e lá deu a volta com um livre directo e um penalty. Quanto ao FC Porto, obrigado a ir a jogo em condições inqualificáveis sob pena de ser extraído da Taça por falta de comparência, mas lá conseguiu ver provado, em cima da hora, que tinha razão nos seus protestos. É incrível como a mesma Federação que, com inteira razão, se queixou das condições do estádio e do campo onde Portugal teve de jogar a segunda mão do play-off contra a Bósnia, tenha autorizado que o campeão nacional — uma equipa de profissionais pagos a peso de ouro e tão útil à Selecção — fosse forçada a disputar um jogo a eliminar da Taça naquele inconcebível campo da Oliveirense que as fotografias retratavam. Caramba, pois se está ali mesmo ao lado, o Estádio de Aveiro, eternamente às moscas e que não foi escolhido porque a Oliverirense diz que o aluguer é caro, a Federação que pague o aluguer. Não foi ela, afinal, que se bateu pela existência do luxuoso e inútil Estádio de Aveiro?

2 Felizmente, os meus desejos aqui expressos na semana passada cumpriram-se: vencemos na Bósnia, ganhámos o passaporte para a África do Sul, que tão tremido esteve durante tanto tempo. E ganhámo-lo com uma das mais convincentes exibições de toda a campanha de qualificação. Num ambiente de cortar à faca, num relvado escolhido à medida para prejudicar o melhor futebol, e num estádio preparado para nos intimidar desde o primeiro minuto, a Selecção uniu-se como um só — sem embargo de uns terem sido bem melhores do que outros. Mas, sinceramente, em matéria de esforço, de entrega e de consciência de que aquela era a hora da verdade e já não consentia mais adiamentos, penso que todos foram grandes, dignos da hora. Por uma vez, não entrámos no jogo naquela atitude de ver em que paravam as modas, não nos intimidámos nem demos algumas vezes mostras de ter medo do adversário e medo de ousar vencê-los, e nem sequer, ao contrário do que é regra, deixámos de atacar depois de chegar à vantagem. Ganhámos por um, mas bem merecíamos ter ganho por dois ou três — ao contrário do que sucedera na Luz, cinco dias antes.

3 Não me incomoda nem me regozija que a Selecção que ganhou no play-off a passagem para África não tivesse um único jogador do Benfica no onze inicial de ambos os jogos. A Selecção é a Selecção, e eu já torcia por ela em 66, quando era formada por dez jogadores do Benfica e um guarda-redes do Belenenses. Mas, é claro que gosto de ver uma Selecção com jogadores do meu clube e é claro que fiquei ainda mais feliz por ver que os dois jogadores que facturaram os dois golos da nossa passagem para África eram ambos do FC Porto. O Raul Meireles fez, na Bósnia, uma das melhores exibições que já lhe vi e, francamente, acho que é preciso uma grande imaginação ou má-vontade para não o considerar como o melhor de todos nesse jogo decisivo. E o Bruno Alves, com duas soberbas exibições, esse, dá-me um gozo particular, porque agora já não estou sozinho a considerá-lo um dos melhores centrais do mundo e com uma atitude em campo que, desculpem-me lá, é «a escola do dragão» em todo o seu esplendor. Pois, mas quando ele joga pelo FC Porto, cá dentro, é apenas um «caceteiro» e um jogador que, se pudessem, passava metade do campeonato de castigo. Mas, quando joga por Portugal, aí todos se calam, porque está bem de ver que, com onze como ele, esta Selecção iria a África para deixar marcas.

4 E agora, uma questão pessoal com o Sr. Eduardo — que, embora o não pareça, tem idade para ser meu filho.

Eu escrevi aqui, a semana passada, que, na minha modesta opinião, o Eduardo não me dava confiança para defender a baliza de Portugal, porque domina tão bem o espaço aéreo quanto o seu antecessor Ricardo. Ou seja: não faz ideia onde isso fica nem o que fazer com esse problema. E dei o exemplo das duas bolas cabeceadas à trave da nossa baliza no jogo da Luz — em especial a primeira, onde a responsabilidade dele foi total e que, se tem tido a consequência mais provável, que era ter acabado em golo, talvez agora não estivéssemos a festejar a presença no Mundial do ano que vem. Mas esta foi e é apenas uma opinião técnica e de «treinador de bancada». Outros pensarão diferente, outros (a grande maioria) pensa o mesmo, mas não se atreve a dizê-lo. Porém, foi o suficiente para que, na euforia da vitória na eliminatória (para a qual pouco ou nada contribuiu, para além de ter desviado com os olhos as bolas para a trave), o Sr. Eduardo desembestasse contra os «abutres» que tinham ousado criticá-lo. Ora bem, quero dizer algumas coisas ao Sr. Eduardo.

Primeiro, que é muito feio, quando se quer atacar alguém, começar pelo insulto e nem sequer pôr o nome ao destinatário. Eu, quando quero criticar alguém, como o fiz com ele, não apenas não insulto nem chamo nomes, como também escrevo o seu nome e assino o meu por baixo.

Depois, quero-lhe dizer que ele não deve saber bem o que é um abutre. Um abutre é um animal que se alimenta de cadáveres de outro animal, e eu, tanto quanto me recordo, não considerei o Sr. Eduardo morto para o futebol e ainda menos cadáver: apenas lhe sugeri que aprendesse o que fazer com as bolas altas cruzadas por cima da pequena área, porque desconfio que isso pode ser importante na vida de um guarda-redes. Mas, se ele acha que não é importante ou se se considera a si próprio um cadáver futebolístico, sem ressurreição possível, o problema é seu.

A seguir, queria explicar ao Sr. Eduardo uma coisa óbvia, que ele, todavia, parece não ter ainda percebido: a sua, tal como a minha, é uma profissão de exposição pública constante. Ambos actuamos à vista do público, o qual paga para apreciar ou criticar livremente o nosso desempenho. O mesmo acontece com os artistas de circo, os músicos, os actores de teatro, etc, etc. O que caracteriza a função específica do guarda-redes Eduardo é que ele é muito mais bem pago do que todos os outros — o que faz que seja maior a sua responsabilidade e muito mais exposto à critica o seu desempenho. Ou ele esperava que lá pelo facto de Carlos Queiroz lhe ter confiado a baliza da Selecção, tinha passado a ficar imune à critica, como se fosse uma florzinha de cheiro? Ponha os olhos no Ricardo Carvalho que, na hora da vitória (para qual contribuiu bem mais) afirmou que compreendia e reconhecia razão às criticas que os adeptos da Selecção tinham feito. Não por acaso, o Ricardo Carvalho joga num país que é a mais antiga e nunca interrompida democracia do mundo e onde a crítica futebolística é a sério e não a brincar, feita de salamaleques. Se se acha intocável, acima de qualquer crítica, com direito a passar impune, quer jogue bem quer jogue mal, escolha outra profissão. Há trabalhos mais fáceis — só não são é tão bem pagos.

E, finalmente, queria dizer ao Eduardo o seguinte: para representar Portugal, no futebol ou no resto, não basta estar profissionalmente qualificado para o fazer. É preciso também ter um comportamento cívico à altura da responsabilidade. Hoje mesmo, também eu estou em Barcelona, a representar Portugal, no meu domínio específico: numa conferência literária organizada pelo Instituto Cervantes, de Espanha. Não passa pela cabeça de ninguém que, se no final a minha intervenção for criticada, eu trate os críticos por abutres. Julgo que já lá vai o tempo em que os jogadores de futebol se achavam umas vedetas acima do comum dos mortais, com direito perpétuo a serem venerados, fizessem o que fizessem ou dissessem o primeiro disparate que lhes viesse à cabeça. Acorde, rapaz, o tempo dos cromos da bola já lá vai! E nunca se esqueça disto: quem mantém o futebol vivo não são os dirigentes, nem os patrocinadores, nem sequer os jogadores: são os adeptos. Nós somos os únicos que estamos no futebol por amor à camisola e sem nada esperar em troca. Todos os outros vão e vêm e são sempre substituíveis.

Miguel Sousa Tavares n' A Bola.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Luta na lama


Eu gosto de luta na lama. Aliás, acho que a modalidade não tem a atenção que merece e estou disponível para começar uma campanha aqui mesmo, n'O JOGO, para mudar este triste estado de coisas. Para já, é fundamental reconhecer o importante contributo dado pela Federação Portuguesa de Futebol para a afirmação da modalidade em Portugal, ainda que lhe escape a sua essência. Ora, mesmo que a ideia de ver 22 marmanjos mais ou menos barbados e peludos cobertos de lama num batatal possa aquecer alguns corações nas caves do nº 58 da Rua Alexandre Herculano, os adeptos "hardcore" da modalidade preferem os tradicionais duelos entre duas jovens em trajes menores numa pequena e aconchegada piscina de lama. Dir-me-ão que somos picuinhas, que se a FPF conseguiu ser feliz com o jogo da Selecção na Bósnia, também nós poderíamos encontrar alguma satisfação no Oliveirense-FC Porto no Carlos Osório, mas como diria Hugh Hefner, fundador da Playboy e grande impulsionador das lutas na lama genuínas, a verdade é que há pormenores que fazem toda a diferença.

Jorge Maia n' O Jogo.

Capas de 23 de Novembro de 2009


domingo, 22 de novembro de 2009

Basquetebol - Porto perde


O FC Porto Ferpinta sofreu a primeira derrota na Liga, ao perder esta tarde (domingo) em Ovar, por 59-57, em jogo da terceira jornada da prova, decidido a dois segundos do final, quando o prolongamento parecia já inevitável.

Numa partida extremamente equilibrada, os Dragões chegaram ao intervalo em vantagem (28-30), mas os instantes finais, marcados por algumas más decisões e por um reduzido índice de eficácia na linha de lançamentos livres, revelaram-se decisivos.

Com 15 pontos, 9 ressaltos, 2 assistências e 2 roubos de bola, Carlos Andrade foi o melhor dos Dragões.

Andebol - Porto afastado da Taça EHF

O FC Porto Vitalis foi afastado, este sábado, das competições europeias, ao perder na Alemanha, por 31-23, frente ao Frisch Auf Göppingen. Apesar do empate da primeira-mão, os azuis e brancos viram a experiência do adversário falar mais alto, acabando por não ultrapassar esta terceira eliminatória da Taça EHF.

Hóquei em Patins - Porto ganha


O FC Porto Império Bonança venceu, este sábado, os alemães do ERG Iserlohn, por 15-3, em jogo da primeira jornada do Grupo D da Liga Europeia, disputado no Dragão Caixa.

Os Dragões, que venciam por 6-3 ao intervalo, marcaram por intermédio de Filipe Santos (1), Jorge Silva (3), Pedro Gil (1), Henrique Magalhães (1), André Azevedo (2), Reinaldo Ventura (4) e Emanuel Garcia (2), beneficiando ainda de um autogolo apontado por um jogador da formação alemã.

Formação - resultados de ontem


Confira aqui os resultados deste sábado das equipas de Formação do FC Porto.

Sub-19: Campeonato Nacional de Juniores A
Desp. Aves-FC Porto, 1-1
(Dias, 86m)

Sub-13: Campeonato Distrital de Juniores D (I Divisão)
Grijó-FC Porto, 1-8
(Luís Mata, 5, 18 e 25m; João Bernardo Alves, 12m; Rui Teixeira, 33 e 47; Paulo Alves, 34m gp; Bruno Costa, 59m)

Sub-13: Campeonato Distrital de Juniores D (II Divisão, Série 2)
FC Porto-Pasteleira, 11-0
(Rogério Silva, 7m; Camarã, 8 e 25m; Luís Pinto, 18, 20 e 34m; Francisco Sousa, 27m; Bruno Almeida, 28m; Vítor Costa, 49 e 55m; João Gonçalves, 58m)

Sub-12: Campeonato Distrital de Juniores D (II Divisão, Série 4)
Valonguense-FC Porto, 0-3
(Schutte, 19 e 59m; Casimiro, 49m)

Sub-12: Campeonato Distrital de Juniores D (II Divisão, Série 1)
Serzedo-FC Porto, 0-13
(Carlos Leal, 2 e 21m; David Aguiar, 8 e 24m; João Costa, 14, 19 e 38m; Gonçalo Resende, 20m; Pedro Costa, 30m; Pedro Pereira, 33 e 34m; Hugo Pinto, 54m; Manuel Namora, 57m)

Sub-11: Campeonato Distrital de Juniores E (Futebol de 7, Série 5)
FC Porto-Paços Ferreira, 14-0

Sub-11: Campeonato Distrital de Juniores E (Futebol de 7, Série 2)
Leça-FC Porto, 0-13
(Paulo Estrela, 2; Dalot; Félix, 3; Diogo Leite, 2; Hélder, 2; António Pedro; Zé Miguel, 2)

Sub-10: Campeonato Distrital de Juniores E (Futebol de 7, Série 4)
Paços Ferreira-FC Porto, 0-2
(Vasco Paciência, 24 e 26m)

Sub-10: Campeonato Distrital de Juniores E (Futebol de 7, Série 3)
FC Porto-Freamunde, 3-3
(Gustavo Schneider, 16, 19 e 31m)

Sub-9: Campeonato Distrital de Futebol de 7
Grijó-FC Porto, 0-13
(Ricardo Ferreira, 8, 30, 33 e 34m; André Ramalho, 10, 20, 23 e 27m; Diogo Almeida, 24 e 43m; Levi Faustino, 37m; Tomé Marques, 47m; Hugo Gomes, 49m)

Sub-9: Campeonato de Escolinhas do Desp. Aves
New Team-FC Porto, 1-2 (Diogo Couceiro, 28m; Alejandro Gonçalves, 46m)

Capas de 22 de Novembro de 2009


sábado, 21 de novembro de 2009

Comunicado da FCPorto - Futebol, SAD


Na sequência do adiamento do jogo da Taça de Portugal entre a UD Oliveirense e o FC Porto, que apenas confirmou os alertas deixados por esta sociedade durante os últimos dias, vem a Administração da FC Porto – Futebol, SAD comunicar o seguinte:

1 – É uma incoerência que a entidade que permitiu que este jogo fosse marcado para o Estádio Carlos Osório, tenha reclamado veementemente acerca das condições do palco bósnio onde Portugal actuou na quarta-feira. Qual a legitimidade da Federação Portuguesa de Futebol quando apenas defende os jogos das suas selecções e descura os dos clubes que lhes fornecem atletas?

2 – A marcação de uma partida para um estádio no qual já se sabia não existir condições de segurança para jogadores e adeptos, havendo até o risco de sobrelotação, afasta do futebol os patrocinadores que a ele se desejem associar;

3 – Era evidente que a decisão de adiar o jogo teria de ser tomada. Pena é que uma federação que se diz moderna não tenha feito a mesma análise da situação que fez o FC Porto, deslocando-se ao local para verificar todas as condições, nomeadamente quando o relvado já estava em péssimo estado e as previsões apontavam para o agravamento da meteorologia. Ao ignorar estas condicionantes, a FPF terá de desculpar-se perante os adeptos que acorreram a este recinto ao engano;

4 – Finalmente, aguarda-se que a FPF não «lave as mãos como Pilatos», limitando-se a marcar uma data qualquer, quando o essencial é que o local para a realização do UD Oliveirense-FC Porto assegure todos os requisitos para um bom espectáculo, de modo a que, por exemplo, se reduza o risco de lesões nos intervenientes, entre eles alguns que podem marcar presença no próximo Mundial.

Porto, 21 de Novembro de 2009

O Conselho de Administração da FC Porto – Futebol, SAD

Capas de 21 de Novembro de 2009


Federação não mexeu uma palha


Conferência de imprensa de Jesualdo Ferreira n' O Jogo:

Jesualdo Ferreira não poupou críticas aos responsáveis federativos por permitirem que o jogo da Taça de Portugal se dispute no relvado do Estádio Carlos Osório. Mas, esta é apenas a ponta do icebergue. O treinador portista sublinhou o facto de a Federação Portuguesa de Futebol nada ter feito para evitar esses problemas, numa semana em que, na Bósnia, protestou junto da FIFA por causa das péssimas condições do relvado, e das instalações em geral, do estádio do play-off.

O presidente da Oliveirense disse que haveria condições para o jogo. Acredita nisso?

O relvado da Oliveirense é só uma questão, mas há outras. Acima de tudo, questões de segurança e garantias para um bom jogo. Isso não se resume à relva. Com muito respeito pela Oliveirense e pelos sócios, têm de concordar que não é num estádio daqueles, e num relvado daqueles, que se poderá realizar um bom jogo. O FC Porto jogará com a intenção exclusiva de ganhar, mas ninguém espera, certamente, um bom espectáculo. A festa da Taça poderá não acontecer por exclusiva responsabilidade de quem entendeu que este jogo deveria realizar-se no estádio da Oliveirense. Temos exemplos de muitos clubes com estádios pequenos que, quando recebem um grande, procuram recintos com lotação superior para que os sócios dos dois lados estejam presentes, e para que se possa fazer uma receita melhor, aproveitando o jogo da Taça como fonte de financiamento.

O que deveria ter sido feito?

As razões da Oliveirense são legítimas. Mas, não entendo que as instâncias superiores que gerem a Taça de Portugal, neste caso a Federação Portuguesa de Futebol, não encontre razões plausíveis, seguras e objectivas de que aquele estádio não tem condições para se realizar um jogo com estas exigências. Muito mais do que o estado do relvado, há todo um conjunto de condições que não existem e que colocam em risco muita coisa, nomeadamente os profissionais do FC Porto. Ninguém se vai sentir bem num estádio em que as condições não sejam as melhores. Todos batemos palmas pela forma como, num estádio difícil como aquele que vimos na Bósnia, Portugal conseguiu ganhar. Toda a gente criticou a FIFA por permitir que se realizasse o jogo naquele estádio. Os dirigentes da FPF protestaram contra a sua realização e, agora, não mexeram uma palha e não disseram nada no sentido de poderem encontrar condições para que este jogo não se realizasse em Oliveira de Azeméis, mas sim num estádio melhor.

Face a essa questão das condições, que equipa é que vai apresentar?

A melhor. Sempre disse isso. O FC Porto, em qualquer competição que entra, apresenta sempre a equipa que pode garantir uma vitória. Vamos escolher aqueles que julgamos estarem nas melhores condições.

Mas tendo tudo isso em conta, vai poupar alguns jogadores?

Poupança só no banco, daquelas de reforma. Isso não existe. Aqui faz-se uma gestão clara dos recursos que temos neste momento, e o que temos é um grupo de jogadores que esteve 15 dias a trabalhar muito bem, um grupo que recuperou de lesões e que, neste momento, precisa de competição e outro grupo que esteve nas suas selecções - o Álvaro Pereira nem sequer chegou -, no sentido de conseguirmos encontrar o que, para nós, é o mais importante: o equilíbrio de uma equipa competitiva e capaz de ganhar o jogo.

António soares n' O Jogo.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Capas de 20 de Novembro de 2009


Uma questão de ADN

1 No jogo Portugal-Bósnia, no Estádio da Luz, os dois jogadores do FC Porto, Bruno Alves e Raul Meireles, estiveram entre os melhores dos portugueses. No jogo Bósnia-Portugal, voltaram a estar entre os melhores. Ainda bem, porque contribuíram para este merecido feito da Selecção, e porque calaram os pasquineiros. Infelizmente, haverá sempre quem julgue que se tratou de um mero acaso e não valorize, por isso, o facto de também Ricardo Carvalho e Pepe, que a meu ver completam o quarteto que decidiu este play-off, serem jogadores que passaram pelo FC Porto, e que foram marcados e tocados pelo ADN do clube.

2 A excelentes exibições de Bruno Alves não surpreendem, porque o central tem estado ao seu melhor nível e é um dos jogadores portistas com alma até Almeida, a quem nunca se pode pedir mais generosidade ou atitude. O que espanta é que, na Luz, tenha marcado um golo invulgar, correspondendo a um cruzamento e aparecendo isolado na área como o jogador mais adiantado da equipa, numa jogada de envolvimento do ataque português. Ora, sabe-se como no FC Porto essas aventuras lhe estão vedadas, à excepção das jogadas de bola parada e das situações desesperadas, em que a equipa opta pelo chuveirinho para a área adversária e se pede a Bruno que tente utilizar a sua estatura e compleição física para jogar na frente. Como escrevi na semana passada, creio que o problema do FC Porto está nos processos de jogo e num modelo muito rígido e previsível. Parece-me que este golo de Bruno Alves comprova essa tese. Com o trinco Fernando também amarrado a funções defensivas, ao contrário do que se lhe conhecia noutras equipas, não seria conveniente que Jesualdo arriscasse um pouco mais e permitisse outra liberdade a Bruno Alves para fazer desequilíbrios, trocando as voltas às marcações dos adversários?

3 Muito mais sensível e complicada é a questão de Meireles, que voltou a fazer duas grandes exibições pela Selecção. Na Luz, as suas tabelas com Deco nem sempre tiveram êxito mas, na segunda mão, teve oportunidade de abrir o livro e mesmo que não tivesse marcado o golo decisivo, teria sido o melhor dos jogadores em campo. A grande e misteriosa questão que fica, agora, por responder, é porque razão aparece em tão boa forma na Selecção, quando é consensual que tem jogado tão mal no FC Porto, onde parece cansado e distraído, e até receoso de meter o pé? É uma pergunta à qual o jogador vai ter de responder no campo, quando voltar a actuar de azul-e-branco, porque os adeptos vão exigir essa explicação e, neste caso, não parece ser, apenas ou tão só, um problema de processos de jogo.

4 Sejamos, ainda assim, optimistas. Vamos continuar a ter Bruno Alves e pode ser que estas exibições e os muitos elogios ajudem Raul Meireles a reencontrar a forma que o notabilizou, em particular no final da época passada.

Um homem sério
NA Luz, Carlos Queiroz voltou a ser assobiado pelos adeptos. Depois, durante a semana, ouviram-se muitas críticas ao seleccionador nacional, antecipando uma tragédia que, fe- lizmente, não aconteceu. Afinal, ganhou a segunda mão com todo o mérito e segurança, contrariando as vozes agoirentas mas logo apareceu quem questionasse porque razão não festejou à Scolari. O que interessa é que Portugal está na fase final do Mundial. Na base desse êxito, estão os jogadores, e está Queiroz. O seleccionador não festejou efusivamente, e fez bem, porque sabe que, para já, se limitou a cumprir o mínimo que lhe era exigido. Espero, e acredito, que Carlos Queiroz vai celebrar e fazer a festa na África do Sul.

Depois do populismo
NATURALMENTE, Queiroz não é Scolari. Não apela a rezas e a milagres, não precisa de recorrer à portofobia para ser adulado em Lisboa e venerado pelos seis milhões, não entra em desnecessárias teatralidades. É um treinador competente e equilibrado, que tem ideias claras sobre tudo aquilo que pretende e que, desta vez, conseguiu realizar um sonho que parecia perdido, depois de alguns sobressaltos. Bom seria que os adeptos da Selecção, principalmente os que não acompanham o futebol no dia-a-dia, se recordassem que, para além do folclore, das bandeirinhas e dos cordões humanos, precisamos de um homem competente e que a imprensa lhe conceda um décimo do crédito que deu ao seu antecessor.

No estádio dos Borat
TUDO aquilo que se passou na deslocação da Selecção portuguesa à Bósnia é, no mínimo, incompreensível. Que o acesso à fase final do Campeonato do Mundo de futebol seja decidido num estádio sobrelotado e com um piso lavrado, ainda se compreende. Que uma equipa nacional seja ameaçada, insultada, cuspida e intimidada num aeroporto, sem que haja uma intervenção das autoridades, já é mais bizarro. Tudo isto acontece porque os senhores que mandam nas FIFA e UEFA precisam do voto dos pequenos países para controlar o negócio. Há quem diga que o futebol português não está em boas mãos mas, se olharem além-fronteiras, perceberão que esse não é um problema exclusivamente nacional.

A última escolha
OS pormenores rocambolescos e bizarros que envolveram a contratação do substituto de Paulo Bento no Sporting são um sintoma de que algo vai muito, muito mal em Alvalade. Quando Bettencourt se despediu de Bento garantindo que os adeptos ainda se iriam arrepender, condicionou a futura escolha. Quando anunciou À CMVM que estava em negociações com Villas Boas e depois falhou o acordo com a Académica, aumentou o condicionamento. Não admira, por isso, que Carvalhal tenha sido apresentado por um vídeo no site do clube. É um treinador que aprecio e desejo-lhe sorte. Não deve ser fácil ser tratado assim, como se fosse a derradeira escolha, e lidar com um presidente contrariado.

Rui Moreira n' A Bola.

Os melhores


NÃO fosse Fábio Coentrão e a coisa passaria: «Portugal é um forte candidato a vencer o Mundial», foi o que disse — preto no branco — o extremo do Benfica e da Selecção. Isso é uma coisa; outra, inteiramente diferente, é ouvir Queiroz a dizer que a Selecção não vai à África do Sul para passear. A diferença entre uma declaração e outra não põe em causa o 'patriotismo' de nenhum deles, apenas serve para apontar limites à ambição e ao entusiasmo, coisas que consumimos com bastante imoderação quando se trata da velha pátria.
De repente, depois de uma campanha moderadamente feliz (a verdade é que só nos apurámos num play-off contra esse colosso do futebol mundial, a Bósnia, ai de nós...), não convém disparar foguetes na direcção da África do Sul.

Devemos aprender alguma coisa com a moderação dos sábios: vamos à África do Sul, sim, tentar o melhor dos lugares. Não apenas 'honrar a camisola', erguer a bandeira, mostrar o que há a mostrar — mas mostrar o melhor de nós. O melhor de nós devia ser a moderação, justamente, o equilíbrio emocional, e não o desvario tão entusiasta como desleixado que levámos à Coreia (lembram-se?). Queiroz tem razão: trabalhar, trabalhar, trabalhar. E, já agora, marcar golos. Uma coisa de nada.

A França passou pelo play-off como uma velhinha gaiteira que não hesita em fazer batota às claras, o que provocou uma das maiores injustiças duplas deste apuramento: primeiro, a derrota da Irlanda; depois, a passagem da França, coisa que não merecia. Que Henry tivesse tentado, a partir de um fora-de-jogo, meter a mão à bola, admite-se. Está-lhes no sangue, aos avançados desesperados. Mas o árbitro devia ter visto, devia ter expulso Henry e devia ter mandado a França para o balneário, com o nariz levantado e a honra ferida.

No futebol, há derrotas que nos dão alento. As da França estão entre as que conferem mais felicidade ao espectador; mesmo as imerecidas. Há, naquele futebol manhoso (mais manhoso do que o da Itália) e delapidado, um apelo à antipatia. Espero que não passe da primeira fase. Nem a França nem, aliás, Platini.

Francisco José Viegas n' A Bola.

Jesualdo Ferreira: parabéns especiais a Bruno e Raul


Contente pelo apuramento de Portugal para o Campeonato do Mundo da África do Sul, Jesualdo Ferreira, que ontem esteve na inauguração de uma loja de decoração, no Porto, ficou duplamente satisfeito devido às exibições e golos dos dois jogadores do FC Porto que alinharam no play-off com a Bósnia. Bruno Alves marcou de cabeça na Luz e Raul Meireles carimbou com o pé direito o bilhete para o Mundial. Motivos suficientes para felicitações especiais. "Sim, já falei com eles. Dei-lhes ao parabéns. Fico contente por os jogadores do FC Porto irem às selecções. Às vezes, não são boas as ausências prolongadas, mas as selecções promovem e dignificam. Foram os marcadores dos dois golos e isso deixou-me contente. Foram golos fundamentais para o apuramento", disse o treinador, acrescentando que houve mais uma pessoa que felicitou. "Dei os parabéns ao Carlos Queiroz pelo telefone."

Numa altura de congratulações sucessivas, o treinador puxou a fita atrás e recordou que houve espinhos no caminho da Selecção. "Há um mês, o estado de espírito não era este. Estou à vontade para falar, porque sempre disse que acreditava que a Selecção Nacional iria ao Mundial, que acreditava em Carlos Queiroz, que acreditava nos jogadores e que acreditava que as coisas, correndo com normalidade, resultariam no apuramento." Jesualdo sublinhou que, nos últimos meses, muito se disse e escreveu sobre a equipa nacional, concluindo que os objectivos cumpridos devem ser devidamente destacados na análise de todo o apuramento. "Temos de salientar como positivo as presenças de Portugal em todas as competições europeias e mundiais nos últimos dez anos. Tenho lido alguma Imprensa e sentido a dificuldade de alguns em dirigir os parabéns a quem merece. Também tenho encontrado algumas ironias na forma como se fazem as avaliações da Selecção Nacional. É sempre difícil para quem diz mal durante muito tempo aceitar a verdade e mudar. Mas devem ter a honestidade de dizer que Portugal foi capaz de cumprir os objectivos a que se propôs e que as pessoas foram competentes. Estou à vontade para dizer isto. Estou contente pelo apuramento e por estar num Campeonato do Mundo em que nem todos estarão. Parabéns a todos os jogadores, dirigentes e a Carlos Queiroz", insistiu.


Um gozo particular por ver Gilberto Madail na bancada

O jogo de Zenica teve imensas particularidades. E houve uma que motivou um sorriso rasgado do professor. "A imagem de Madail na bancada deu-me um gozo muito grande. Furaram os protocolos todos. Para lá da exibição, foi a parte mais interessante do jogo." O relvado e o público não foram esquecidos. "Jogar naquele campo, naquele país e naquele ambiente não é facil. Só quem está lá dentro é que percebe. O relvado estava miserável e o público foi pouco educado. Mas nestas coisas acabam por ganhar os melhores", disse Jesualdo.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Capas de 19 de Novembro de 2009







Andebol - Porto ganha


O FC Porto Vitalis venceu, esta quarta-feira, o Marítimo, por 37-17, em jogo da 8ª ronda do campeonato de andebol. Dario Andrade, com 8 golos, e Nuno Grilo, com 7, estiveram em destaque neste triunfo expressivo, alcançado no Pavilhão Dragão Caixa.

Os restantes golos azuis e brancos tiveram a assinatura de Pedro Spínola (5), Álvaro Rodrigues (5), Wilson Davyes (4), Ricardo Moreira (3), Gilberto Duarte (2), Alexandre Relvas (2) e Filipe Martins (1).

Basquetebol - Porto ganha


O FC Porto Ferpinta venceu esta quarta-feira no recinto da Física de Torres Vedras (49-90), avançando desta forma para os oitavos de final da Taça de Portugal de basquetebol. Ao intervalo, a equipa de Moncho López já vencia por 30-50, o que confirma o acerto defensivo e ofensivo patenteado ao longo do desafio.

Jeremy Hunt, com 21 pontos e Jorge Coelho, com 18, foram os melhores marcadores do FC Porto Ferpinta.

Mundial 2010 - declaração de Pinto da Costa

«Estou muito feliz pelas vitórias de Portugal sobre a Bósnia e pela consequente qualificação para o próximo Campeonato do Mundo. Estou também muito satisfeito pelos jogadores do FC Porto presentes na equipa portuguesa, que estão, seguramente, a viver um momento de grande emoção. Quem acreditou desde o início no trabalho desenvolvido pelo seleccionador Carlos Queirós, vê agora confirmadas as razões dessa convicção. Faço votos de que a participação de Portugal no Mundial de África do Sul seja marcada pelo sucesso».

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Capas de 17 de Novembro de 2009


Tem a palavra


Era previsível: à falta de jogos, por causa da paragem ditada pelas selecções, as críticas espremidas depois da exibição do FC Porto na Madeira acabaram por se esticar no prazo de validade. Entre análises, opiniões e até notícias, estes têm sido dias cheios. Tão cheios que, noutros tempos não muito distantes, chegavam e sobravam para forrar as paredes do balneário portista, espicaçando uma reacção convincente. Posso estar enganado, mas aposto algumas fichas na próxima conferência de Jesualdo Ferreira. Adiante. Não deixa de ser curioso, pelo menos para mim, recordar e assinalar este lado estratégico da comunicação, sublinhando a palavra, ou a habilidade de comunicar, no mínimo, como arma privilegiada. Aliás, neste contexto, tem sido uma delícia mastigar o discurso do seleccionador bósnio, Miroslav Blazevic, no incansável exercício de desmoralizar o adversário. As palavras não matam, mas moem. Acredita ele, e eu também.

Hugo Sousa n'O Jogo.

Mais um milagre, precisa-se


SIM, precisamos ainda de mais um milagre para chegarmos enfim à África do Sul. Um milagre como o das traves e postes do Estádio da Luz, substituindo, com brilho, a inércia de Eduardo entre os postes, vendo o jogo aéreo passar-lhe em frente do nariz sem se mexer, um milagre como a cabeça salvadora do Bruno Alves já nos descontos, em Tirana, permitindo arrecadar três pontos decisivos, ou a outra cabeça salvadora, sábado passado, na Luz, substituindo, em local que não era seu, a inépcia atacante da Selecção.
Pois, jogador por jogador, nós somos francamente melhores que a Bósnia ou a Dinamarca. Mas, ninguém entende porquê, aquele conjunto de estrelas internacionais, uma vez reunido, não funciona. Certas coisas, nós vemos que resultam de deficiente trabalho de casa: livres e cantos que não foram ensaiados de forma alguma, nenhuma «jogada de laboratório» estudada. Outras coisas, que se esperariam espontâneas, como a inspiração individual ao serviço do colectivo, nunca acontecem: Deco, Cristiano Ronaldo, Simão ou Nani são apenas estrelas desmaiadas, invariavelmente menores na Selecção do que o são nos respectivos clubes. Acontece.

Estava a ver o Portugal-Bósnia junto com uns amigos estrangeiros quando Portugal chegou ao 1-0 e eles comentaram: «Bom, agora é aproveitar e cair em cima deles, para resolver isto já aqui». Expliquei-lhes que não, que não é assim que as coisas funcionam aqui: quando a Selecção consegue chegar ao 1-0, toca a reunir, missão cumprida e trata-se depois e apenas de «gerir a vantagem», como dizem os entendidos. Eles não acreditaram, mas depois viram. Tirando uns doze minutos na segunda parte, culminados com aquela grande oportunidade criada por Liedson a partir do nada (e que Carlos Queiroz comparou ao azar da Bósnia, com três remates na madeira!), nada mais fez a Selecção que justificasse o 2-0. Foi curto, muito curto, para quem quer estar no Mundial do Verão que vem. A verdade, passada já quase uma dúzia de jogos no caminho para África, é que apenas uma vez — e logo no primeiro jogo, frente à Dinamarca — é que a Selecção de Portugal mostrou, sem margem para dúvidas, que merecia estar no Mundial. O resto tem sido uma eterna gestão de «tem-te, não caias», que, tudo indica, vai durar até ao último minuto do último jogo, amanhã, próximo de Sarajevo. E, de todas as vezes, em cada um dos jogos a história repete-se: acreditamos sempre que desta é que é, desta é que a Selecção das tão louvadas vedetas vai finalmente arrancar um jogo que nos faça sentir que temos equipa para chegar ao Mundial e fazer alguma figura. E, depois, mesmo quando tudo começa bem, mesmo quando os deuses estão do nosso lado, parece que se instala ali um cansaço de bem jogar, um indisfarçável tédio de ter que provar, com trabalho e esforço, uma superioridade que todas as estatísticas nos conferem. Enfim, mas isto vai acabar: acaba amanhã. Amanhã, sim, vamos finalmente mostrar ao mundo porque merecemos estar na África do Sul.

Suponho que, não havendo lesionados, Queiroz irá repetir, tal e qual, a equipa da Luz. Assim, e à maneira dos jornais desportivos, vou deixar aqui a minha apreciação individual dos doze da Luz (Tiago e Hugo Almeida não jogaram os minutos necessários para poderem ser avaliados). Esclareço que a minha classificação vai de zero a cinco valores e que sou muito mais exigente que a generalidade dos críticos desportivos, porque adoro bom futebol mas não tenho paciência para mau futebol. Aqui vai, então:

EDUARDO (1) - Quem leu as últimas apreciações que fiz aos seus desempenhos na baliza do Braga, sabe que eu não tenho confiança nele no jogo aéreo, em que é um digno sucessor de Ricardo. Contra a Bósnia e a terminar a primeira parte, ofereceu literalmente o empate, ao permitir um cabeceamento na pequena área a um metro de distância do local onde estava e se deixou ficar, estático. Repetiu o mesmo ao findar o jogo, permitindo novo cabeceamento, embora mais distante, e nova bola na trave. Desculpem-me, mas eu permaneço fiel à «escola Vítor Baía», onde, antes das traves, estavam lá as mãos de Baía. Era bem mais tranquilo. Que o digam os portistas, que também lá têm o Helton…


PAULO FERREIRA (0,5) - Há muito que deixou para trás a forma que permitiu ao FC Porto vendê-lo ao Chelsea por 20 milhões. Mal a defender, inexistente a atacar. Alturas houve em que me cheguei a esquecer que estava em campo.


DUDA (1) - Tentou atacar uma ou duas vezes, mas sem rasgo e inspiração. Periclitante a defender, às vezes até despachando a bola para onde estava virado.


RICARDO CARVALHO (3) - Um dos melhores, apesar da diferença de altura para os bósnios e apesar de ter de dobrar frequentemente Paulo Ferreira.


BRUNO ALVES (3) - Leva nota semelhante pelo golo, que pode valer ouro e diamantes (magnífica a crença com que acreditou e acompanhou o ataque, colocando-se na posição sobejante que lhe permitiu marcar), e pelo empenho de sempre. Mas não esteve tão inultrapassável como habitualmente.

PEPE (3) - Primeira parte à deriva, sem atinar com o lugar e a função no jogo, e segunda parte «à Pepe» — decisivo no apoio atrás, na impulsão do jogo para a frente e na motivação extra que deu a toda a equipa que o quis acompanhar.


DECO (0) - Já nos tempos áureos do FC Porto, eu achava que ele não devia ter lugar cativo na equipa, de tal maneira o seu futebol é intermitente, capaz do melhor e do desesperantemente mau. Foi o caso, mais uma vez, sábado passado. Estragou jogo sem cessar e ainda insistiu numa coisa que só em Portugal lhe é consentido pelos treinadores: cobrar cantos e livres próximos da área, para o que lhe falta em absoluto qualquer talento.


RAUL MEIRELES (3) - Uma vez mais, e ao contrário de Deco, esteve melhor na Selecção, bem melhor, do que tem estado no FC Porto. Teve um fantástico passe longo a isolar Nani, que o desperdiçou por má recepção, e teve um magnífico trabalho na esquerda a oferecer o golo frontal a Deco, que chutou… como de costume.


SIMÃO SABROSA (1) - Depois do bom desempenho na última chamada à Selecção, voltou à normalidade das más exibições. Nada fez digno de registo positivo.


NANI (0,5) - A começar, parecia que ia justificar a sua reivindicação de lugar cativo, mas rapidamente se deixou de veleidades. Fez tudo ou quase tudo mal e, no final, na flash interview, ainda se permitiu responder em tom sobranceiro, de quem nada ficou a dever a ninguém. Mas ficou, sim, ficou a dever uma boa exibição a todos os adeptos.


LIEDSON (2) - Este, sim, não sabe o que é poupar-se, mesmo e sobretudo se as coisas não lhe correm bem ou se o jogo não lhe chega. Ao contrário do que disse Queiroz, ele não desperdiçou uma oportunidade de golo: ele criou uma oportunidade saída exclusivamente do seu génio e que, se tem entrado, seria um golo para recordar por muito tempo.


FÁBIO COENTRÃO (0) - Li aqui n'A Bola, que «esteve bem tanto à direita como à esquerda». Pois, eu (cada cabeça, sua sentença) acho que esteve tão mal e tão inexistente à esquerda como à direita. Longe, muito longe de confirmar as boas exibições pelo Benfica e de justificar a sua estreia como internacional A. Desde que Queiroz o lançou, o ataque de Portugal morreu, sem remissão. Mas, ao contrário de Nani, teve a humildade de reconhecer que esteve mal — o que é meio caminho andado para que, da próxima, esteja melhor. E tem valor para isso.

Miguel Sousa Tavares n' A Bola.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Capas de 16 de Novembro de 2009


Dragão faz seis anos e quer o sexto título


Desde que foi inaugurado, a 16 de Novembro de 2003, o Estádio do Dragão só por uma vez não serviu de palco aos festejos do título de campeão nacional. Cinco campeonatos conquistados em seis anos de vida é apenas um dos números que marcam a curta, mas intensa vida do estádio do FC Porto, casa do tetracampeão nacional de futebol.

Projectado pelo arquitecto Manuel Salgado e construído para substituir o velho Estádio das Antas, o Dragão teve um parto complicado, marcado pelos conflitos institucionais entre Pinto da Costa e Rui Rio, o que levaria sucessivas paragens e atrasos na construção. Apesar de todos os problemas, o recinto ficou pronto quase um ano antes do Europeu de 2004, recebendo o Barcelona no jogo de inauguração e fazendo o baptismo de fogo a um jovem prodígio: Lionel Messi. Apesar de alguns problemas iniciais com o relvado, que adiaram a sua entrada ao serviço para o início de 2004, o Dragão serviria de palco para o jogo inaugural do Euro'2004 entre Portugal e a Grécia que terminaria com o triunfo dos gregos por 2-1, um prenúncio daquele que seria o desfecho da prova.

Antes disso, contudo, o Dragão receberia o FC Porto campeão europeu no regresso da final de Gelsenkirchen. Também foi em jogo a contar para a Liga dos Campeões desse ano que o estádio registaria a sua maior enchente de sempre: frente ao Corunha, na meia-final da prova milionária, o Dragão encheu até às costuras para receber 50 818 espectadores, um valor que permanece recorde até hoje. Com uma média de espectadores acima dos 37 mil por jogo, o Dragão já recebeu mais de cinco milhões de adeptos de futebol, mas não só. Correspondendo às intenções do clube, o Dragão é um estádio multifuncional e já recebeu eventos tão distintos como o megaconcerto dos Rolling Stones, ou provas de automobilismo como a recente Corrida dos Campeões.

De resto, o estádio do FC Porto foi o primeiro a nível europeu a receber a certificação "green light" atribuída pela Comissão Europeia para premiar a utilização racional da energia, conseguindo igualmente reciclar cerca de 50 por cento dos detritos ali produzidos.


98

A construção do Estádio do Dragão custou 98 milhões de euros, mas não foi pacífica e levou a alguns duelos mediáticos entre Pinto da Costa, presidente do FC Porto, e Rui Rio, presidente da Câmara Municipal do Porto


50

A lotação oficial do estádio é de 50 948 lugares, mas esteve à beira de esgotar logo no primeiro ano, na caminhada do FC Porto para o segundo título europeu, de 2004, mais precisamente nas meias-finais da Liga dos Campeões, durante a recepção ao Corunha, jogo que meteu 50 818 espectadores.


36

Lisandro é o melhor marcador do Dragão, com 36 golos apontados no estádio azul e branco. Entre os que se mantêm ainda no Dragão, Farías é o melhor marcador com 16 golos.


87

Em 127 jogos no Dragão, o FC Porto venceu 87, o que resulta numa percentagem de vitórias de 68,50%.

Jorge Maia n' O Jogo.