segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Tragédia em dois actos

1 O mais incrível não é que Jesus tenha agredido, ou tentado agredir, Luís Alberto nem que o jogador do Nacional tenha respondido na mesma moeda. O mais incrível é que a troca de agressões, ou de tentativas de agressão, não conste do relatório do árbitro - que deve ser o último a abandonar o terreno de jogo - e, mais ainda, que o Benfica, em comunicado, nos queira convencer a todos de que devemos confiar mais nas palavras do técnico encarnado e nas do jogador do Nacional do que nos nossos próprios olhos. Resta saber se vai conseguir convencer a Comissão Disciplinar da Liga.

2 Bruno Paixão é uma fatalidade do futebol português. É assim como uma catástrofe que pode acontecer a qualquer equipa e que desta vez atingiu o Rio Ave com a violência incontrolável de um terramoto, influenciando não só o resultado do jogo com o Guimarães, mas condicionando também o próximo, com o Benfica. Ora, há quem imagine que o árbitro de Setúbal tem segundas intenções quando apita, mas eu tenho dúvidas. Afinal, isso seria como imaginar que os terramotos têm um plano.

Jorge Maia n' O Jogo.

1 comentário:

KOSTA DE ALHABAITE disse...

Na rádio do estado, Antena 1, no programa Grandes Adeptos, que passa habitualmente às segundas-feiras depois das 19 horas, moderado por Tiago Alves e com a participação do Dragão Miguel Guedes, o sportinguista Alfredo Barroso e Manuel dos Santos da equipa da luz, vestindo a camisola dos seus clubes falam sobre a jornada do fim de semana e de assuntos ligados ao futebol.
Trata-se de uma tertúlia mais ou menos sensata, mas, depois que o benfiquista Medeiros foi substituído por este fulano da imagem, baixou de nível até à vergonhosa emissão de hoje.
Não sei se se trata de uma estratégia lampiona, mas depois do outro execrável Vasconcelos, este Santos despeja constantemente fel contra o FCPorto, o seu Presidente e, como o encornado da televisão, são só suspeitas e ataques sujos. Hoje, entrando de rompante, disse algo deste jaez: "com excepção de um ou outro, os adeptos do FCPorto são todos burros!"
Miguel Guedes, quando lhe foi dada a palavra, embora com muita educação e estupefacção, disse acreditar que aquela afirmação fora um lapsus linguae, e tentou disfarçar o incómodo de tal vergonhosa afirmação. Mas o biltre reforçou o que dissera!!!
Mas eu não sou o MGuedes e peço, não, exijo uma reparação imediata. Ou então sinto-me no direito de ripostar COM TODAS as armas ao meu alcance.
Chega de sermos constantemente enxovalhados e insultados; de vermos os triunfos do nosso Clube serem minimizados, espezinhados e envoltos em suspeição. Chega!!!