sábado, 31 de julho de 2010

Entrevista a André Villas-Boas

N' O Jogo:


"Espero outro avançado"

André Villas-Boas garantiu que não vai ensaiar no Torneio de Paris o onze para a Supertaça, com o Benfica. O objectivo para os dois jogos são continuar o crescimento da equipa no seu todo, acrescentando minutos aos jogadores. Existe a expectativa quanto à utilização de Bruno Alves e Meireles, mas o técnico não adiantou se os vai utilizar. Já Walter deverá estrear-se, o que aumenta as opções ofensivas. Porém, ainda não deve ser desta que o FC Porto testará um sistema alternativo ao 4x3x3.

A uma semana da Supertaça, o FC Porto terá dois jogos em apenas dois dias. Vai apresentar equipas diferentes? O que espera deste torneio?

Vou fugir ao que têm escrito por vocês, que têm encarado este torneio como o ensaio do onze para a Supertaça, mas isso não é verdade. Haverá uma lógica de distribuição de minutos, a ideia é que seja por todos, mas esse não é um compromisso total. Esperamos, também, não sair daqui com qualquer lesão. O enquadramento é esse: fazer o que temos feito até aqui, acrescentar minutos a todos. O inter-relacionamento tem sido feito por hábitos de treino e de jogo, de forma sectorial. Sair daqui um onze para a Supertaça não irá acontecer, não tem cabimento. Este torneio tem um grau de dificuldade altíssimo. Os adversários que nos tocaram não tiveram uma época tão positiva como gostariam. O PSG ganhou a Taça de França, mas o Bordéus terminou aquém das expectativas no campeonato. No entanto são equipas com hábitos de vitória e oferecem um desafio importante nesta fase da época.

O Bruno Alves e o Raul Meireles vão jogar?

Se assim o entender sim.

"Ninguém sai por meia batuta"

A uma semana do início oficial da época, o plantel do FC Porto tem gente a mais e ainda está por chegar mais um ponta-de-lança. Portanto, Villas-Boas admitiu a saída de alguns dos activos sem, contudo, referir nomes. A paciência parece ser o segredo para conseguir bons negócios porque, referiu, os saldos ainda não chegaram ao Dragão. "Os jogadores que estão actualmente no plantel são de qualidade indiscutível para o FC Porto. E não deixaremos sair jogadores de qualidade indiscutível por meia batuta. Vamos esperar pela proposta certa e depois tomaremos a devida decisão. Com o tempo as coisas irão resolver-se de uma forma ou de outra. São jogadores que estão satisfeitos no FC Porto, que defenderam a causa como ninguém e que contam tanto como os outros para nós. Seja qual for a decisão, será sempre para o bem de todos", sublinhou.

"Estamos num nível elevado"

Se o jogo com o Benfica fosse hoje a equipa estava preparada?

Penso que sim. A pré-época vai com cinco/seis semanas, e isso é suficiente para se preparar uma equipa. Contudo, o Mundial condicionou o trabalho. Os jogadores foram chegando, reintroduzindo-se num ritmo diferente dos companheiros. E não me refiro ao Álvaro Pereira e ao Fucile porque tiveram poucos dias de férias. Estão num patamar elevado e isto é quase a continuação da época passada para eles. Sentimos a equipa num patamar elevado, os treinos têm sido intensos, há uma óptima absorção das ideias, e os atletas aplicam-se ao máximo no treino.

Já tem o onze para o primeiro jogo oficial definido na cabeça?

Não, porque ainda há uma semana intensiva de trabalho pela frente. Além de que o lado emocional vai influir no rendimento de todos eles. Sei que os jogadores estão motivadíssimos para ganhar. Não será um grito de revolta, mas querem demonstrar a qualidade inegável que têm.

Que análise faz aos adversários directos?

A observação dos adversários é ingrata se for feita na comparação dos resultados. Temos o caso do Braga que perdeu no jogo de apresentação e agora ganhou ao Celtic. Salta à vista um Benfica com hábitos de treino e de jogo assimilados ao mais alto nível. O Sporting passa pela mesma transformação que nós, com a mudança de hábitos. Existe expectativa no FC Porto e no Sporting e a continuação da filosofia no Benfica e no Braga.

Pergunta OJOGO

O FC Porto ainda só usou o 4x3x3, não há um sistema alternativo?

Só agora concluímos a contratação de um ponta-de-lança e esperamos por mais um. O mercado está aberto. Só termos o Falcao foi uma condicionante, obviamente, mas não impeditiva. O FC Porto tinha esses hábitos na parte final da época passada em que alcançou várias vitórias consecutivas. Pretendemos manter esses hábitos vencedores, vamos procurar absorvê-los. Agora que há mais opções de ataque, trabalharemos outros modelos possíveis, mas isso não é preocupação.

Mas teve o Farías até há pouco tempo e mesmo assim não ensaiou o 4x4x2…

Sou um adepto do 4x3x3, não só porque essa é a cultura do FC Porto, mas também do futebol português. Insere-se nos nossos fundamentos e nas nossas bases da criação de estilo de jogo. É a forma em que o jogador português se enquadra melhor. Demos prioridade à absorção de ideias nesta fase inicial. Mais tarde ou mais cedo partiremos para outras estruturas, tal como devemos fazer como equipa de topo que somos.

Tomaz Andrade e Carlos Gouveia

1 comentário:

R.M.Silva da Costa disse...

Naturalmente que André Villas Boas fará como muito bem entender na apresentação da equipa no Torneio de Paris. Independentemente de ser ou não ensaio para a Supertaça, penso que estará na altura de começar a compor a equipa com o maior número possível de jogadores que tem em mente vir a escolher para titulares e o sistema táctico que ele adoptará regularmente.